Senhor na arte de atear o fogo, o Mafarrico, dava um jeito na lenha, tornando vivas as chamas que iluminavam os rostos do trio que em torno da fogueira se aglomerava.

De tenaz em mão, Deus agarra num tótiço, e gentilmente acende os cigarros dos restantes companheiros.

– O vosso silêncio sempre me perturbou. Quantas vezes, entre preces e promessas, vos implorei a celebração de tratados, ou contratos?! Ser rico, ter sucesso, ser um homem bom, morrer nos braços de uma namorada da ocasião, ou perder-me na luxúria de uma mulher glamorosa!… Silêncio, ausência total de vocábulos terrenos, e celestiais. Nem um sinal!

Perante as minhas palavras, Deus solta uma gargalhada e proclama em cavernosa voz: Estranhos são os caminhos das divindades, pois manifestam-se em fenómenos… Desde que não estejais tão cegos com a vossa condição mortal.

– E uma palavrinha menos cliché poderia ajudar. – Interpelei.

– O teu problema – interrompe o Diabo – traduz-se no Complexo de Quixote. Na tua juventude ocupaste a tua mente com líricas, romances e artes cinéfilas, e num toque de Midas tornaste-as reais. Enquanto decifravas a linguística da indumentária fogosa de uma Madame Bovary, muitos manchavam-lhe o vestido, sugando-lhe os peitos e matando a sua fome primitiva no suor das suas coxas. Fausto é um romance, a Bíblia é um livro de leis…

– … Pois, e o conto de Saint-Exupéry é uma moral, a Alegoria das Cavernas é a luz na escuridão, o arbusto em chamas é um toque de magia, a aparição Nossa Senhora de Fátima é uma alucinação colectiva e o desaparecimento da minha família em tenra idade foi um pesadelo do qual ainda não acordei.

– Martini, todos os contratos, implicam uma clausula maior para a qual ninguém está preparado – Replica o Mafarrico, burguês das altas finanças da alma. O caminho do sucesso, é um caminho solitário. A existência de pobres serve a causa de haver ricos, entre outros antípodas e antónimos, dos quais podemos passar a noite divagando em apologias. É o equilíbrio do Universo: Bem / Mal, doce / amargo, belo / feio, Deus / Diabo… and so on!

E os meus olhos perderam-se nas chamas da fogueira. Não valia o esforço encefálico de discursar com os elementos de equilíbrio do Universo.