É gratificante conhecer gentes de outros mundos que não o nosso.

Foi-me dada mais uma vez a oportunidade de conviver durante 7 dias com gentes de outras nacionalidades, 20 no total. Ingleses, Galeses, Escoceses, Polacos, Estónios, Lituanos, Alemães, Holandeses, Franceses, Canadianos, Brasileiros, Holandeses, Belgas, Hungaros, Ucranianos, Checos, Romenos, Russos e Sul-Africanos!

Poder conviver com esta diversidade cultural é uma previlégio que poucos têm. Discutir “obamanias”, banqueiros corruptos, relações humanas, culturas e tudo o que nos vem à cabeça é brutal.

Fizemos um “petisco” cultural. Cada um dos participantes trouxe algo tipico do país de origem. Eu trouxe: Queijo da Serra, Vinho Tinto da Estremadura e um inglês trouxe vinho do Porto. Fomos os campeões. Não sei se foi a minha habilidade para vender o produto ou se foram as qualidades intrinsecas dos mesmos mas fomos eleitos os campeões da gastronomia (mais uma vez demostrei que sou um “gastrosexual”)!

Mas meus amigos, para animar a festa só mesmo os Ingleses e o Sul-Africano… esta malta canta que se farta!

Cada vez mais considero que os nossos mais antigos aliados são um povo extraordinário que tem uma capacidade única para animar os demais.

Como é extraordinário o mundo e todos aqueles que o habitam… No entanto e para quem infelizmente conhece menos quero que acreditem que, nós portugueses, não somos em nada inferiores aos demais; Do alto da minha arrogãncia atrevo-me a dizer: “antes pelo contrário”… talvez isso explique os anos 1500. Veremos o que nos reserva o futuro.