Andar pelas ruas de uma cidade a pé é bem diferente de andar de carro, para além da rapidez se não houver trânsito, é possível visualizarmos pormenores que nos passam despercebidos quando vamos de carro.

Dá para ver casas abandonadas que antigamente foram casas muito bonitas e com jardins bem tratados, as cortinas que agora se encontram rasgadas e negras teriam cores límpidas, e as donas dessas casas deviam ter orgulho nas suas casas com tão bom aspecto para o qual elas se empenhavam ao máximo, devem sentir-se bastante tristes ao verem o estado das mesmas actualmente, se calhar por sorte já não se encontram entre nós e assim não vêm o ar desolador, do que outrora fora o seu lar.

Também é possível observar a forma como as pessoas se deslocam e o seu ar, até podemos dar asas à imaginação e criar um perfil para cada um e até o que vai parecer uma “cusquice” ouvir um pouco de uma conversa e imaginar o resto …

Depois há terrenos vazios em que podemos imaginar o que faríamos se aquele terreno fosse nosso … “Que bela moradia aqui se fazia, até dava para uma piscina, que luxo no centro da cidade na principal avenida”, infelizmente não há dinheiro para tanto, mas sonhar é grátis.

Também se advinham as dificuldades que, infelizmente os invisuais têm para andar nas nossas ruas, o sinal sonoro indica que podem atravessar a rua e o que lhes indica que chegaram a um sinal e têm que parar por estar vermelho? E alguns sinais têm aviso sonoro outros não, deve ser realmente difícil

De carro o percurso por vezes é tão rápido que nem dá para conversar … num passeio não solitário fala-se de muita coisa, do que se fez dos planos para o futuro, etc.

E o melhor de tudo ainda se faz exercício físico, convém é ter uns sapatos confortáveis, porque se não vai ser um tormento.

Cada vez mais pessoas estão a aderir ao passeio pedestre seja na cidade, seja no campo até porque é uma actividade barata, saudável e divertida.