O f.d.P. do computdor fez o favor de evaporar o artigo e aumentar o meu desvario. Aqui vai o que devia ter tido um parto fácil.

Estou com a famosa camoéca criativa, desgastado por umas férias intermináveis e sedento de um cataclismo para arribar o espírito. Sangue!!!

A palavra da moda é “bipolar” no meu tempo (quando as crianças atiravam paralelos às respectivas monas) dizia-se “pancas”, “manias”, “luas”, “neuras” a minha querida avó olhava para mim de soslaio e passava tudo num ápice. Esta mania dos psicólogos mudarem os nomes a tudo sempre me fez espécie mas, como não quero melindrar esses malandrotes das mentes vou estar na moda e dizer:

– Tou tão bipolar que até acendo lâmpadas no olho do c´!

Vou ser breve para não castigar os neurónios debilitados. Amanhã volto com uma camada de nervos no lombo que nem consigo abrir os olhos.

P.S. Ficava curado com uma sandoca de leitão e um copinho de Batuta para empurrar a “bucha”.