Nada consome mais o âmago a alguém do que a incerteza.

 

Quando mergulhamos na incerteza e temos dúvidas sobre algo tendemos a imaginar os piores cenários. Este é seguramente um aspecto comum à grande massa de seres que compõem a espécie humana.

 

A incerteza é um estado de sofrimento profundo sem a dor que se sente quando se está certo de que algo que nos é desagradável está a ocorrer.

 

Custa muito mais viver na incerteza de que se é traído do que na dor dessa traição.

É mais difícil viver sem saber se vamos atingir um qualquer alvo do que na segurança de termos falhado.

 

No entanto e apesar da angústia que caracteriza a dúvida acreditamos ser possível corrigir o caminho antes de chegar ao fim e é isso que nos permite tolerar a incerteza.

 

Até a morte ajuda nesta lógica! Imaginem caros leitores, o que seria viver na incerteza de sermos eternos e ao que dedicaríamos a vida se fosse esse o caso. Dedicaríamos a vida a procurar ter a certeza de que não morreríamos quando simplesmente a deveríamos viver.

 

É por isso que na dúvida devem os caros amigos colocar questões e devem responder às que vos colocam. A incerteza corrói. Corrói mais que o ciúme, que a inveja ou que a falta de ousadia.

 

Será que vos traem, será que vos querem bem, será que vos retribuem os sentimentos sentidos? Será que as paixões são retribuídas ou poderão vir a ser retribuídas? Perguntem, perguntem, perguntem e saibam viver com as respostas.

 

Será a certeza a melhor forma e combater a incerteza? Será neste caso o antónimo o melhor antídoto e a solução para esta tese? Eu responderia que não. Certezas são muitas vezes opiniões. O antídoto da incerteza é a confiança. É um estado de espírito que cria o nosso ser inatingível pela dúvida.

 

Confiem nos outros, confiem nas nossas habilidades, sentimentos e razões e as incertezas serão tão diminutas que deixam de vos apoquentar.

 

Ás almas cuja incerteza atormenta instigo a que indaguem e inquiram, a que busquem a resposta que fira de morte a incerteza. Será que tive sucesso na tarefa que me foi acometida, será que esperam mais de mim, será que ela(e) me quer da forma que eu a quero a ela(e)?