Alguma vez viram algo mais belo que o sol? Mais belo que o mar? Mais belo que o céu, que a chuva, que as montanhas ou que as floresta?

 

Alguma vez se depararam com algo mais perfeito que um homem ou que uma mulher? Algo mais belo que qualquer animal ainda que este nos repugne?

 

Pense caro leitor no mais belo que alguma vez observaram… Respondam-me agora à seguinte questão: FOI FEITO POR ALGUM DE NÓS OU LIMITAMO-NOS A CONTEMPLAR E A USUFRUIR DE TAL BELEZA?

 

Agora pense digno amigo em tudo aquilo que sentiu. O mais profundo amor, a maior das raivas, a mais pura das alegrias ou a mais decadente das tristezas. Todos e quaisquer sentimentos que sejam incondicionais porque só assim estão em estado puro… Todos eles são belos… Respondam-me agora à seguinte questão: ESSES SENTIMENTOS FORAM CRIADOS POR NÓS OU LIMITAMO-NOS A VIVE-LOS?

 

Feliz coincidência que nos permite ser quem somos, ver o que vemos, sentir o que sentimos… uma criação tão bela como a humanidade e o mundo em que vivemos não pode ser obra de ninguém. Tem que ser fruto do acaso… não há Deus nem Ciência que possam enquanto eu for vivo explicar porque me foi dado o privilégio de por aqui passar e de vos ter conhecido.

 

E se porventura algum dia, algum de vós me quiser explicar porque é que o acaso aqui me colocou está encontrado o meu primeiro inimigo. E a vós vos garanto que ou lhe ceifo a vida para não o ouvir ou me mato para me refugiar na memória dos outros.

 

Eu quero usufruir plenamente da excelência e perfeição que me rodeiam e nunca a vou querer compreender… no entanto vivo com a mácula, que acredito todos partilhamos, de empeçonhar com os meus actos, atitudes, comportamentos e construções tudo aquilo que verdadeiramente admiro.