Era uma vez um homem que não sabia pedir desculpa.

 

Tinha por certeza absoluta a sua infalibilidade e sempre que alguém dizia algo que não ia de encontro à sua crença ou certeza tinha tendência para reagir de forma dura…

 

Esse homem arrependeu-se diversas vezes desta sua má formação mas nunca conseguiu pedir desculpa ou mostrar qualquer arrependimento. Isso tornava-o cada vez mais insensível e pouco a pouco, sem que se desse conta disso, aqueles de quem gostava e que a ele o queriam foram-se afastando dado o sofrimento causado.

 

Num destes dias e após mais uma conversa que sem motivo aparente se cifrou numa discussão de morte o nosso vilão após ter assumido o mais irascível dos comportamentos sentiu a mais profunda das culpas alguma vez sentidas. Perante tal situação que o levou a experimentar a mais cáustica solidão por sentir estar a perder o amor daqueles que prezava decidiu que tinha que fazer algo diferente.

 

Comprou presentes caros, fez-se simpático e atencioso, aproximou-se pela amizade que era condicionada pelas suas certezas inabaláveis e conseguiu voltar a navegar por algum tempo em águas calmas.

 

Não pediu desculpa e como tal não sentiu a necessidade de fazer a devida introspecção que conduziria essa sim a uma mudança definitiva de comportamento.

 

Hoje e passada só mais uma discussão com a pessoa que amava, pouco tempo depois de episódio anteriormente relatado, está só.

 

A sua tentativa de obter perdão sem pedir desculpa falhou redondamente, mas mais do que isso, a sua falta de coragem para o fazer aliada à incapacidade de relativizar a sua certeza perante os que amava fez com que estes o abandonassem.

 

Pedir desculpa por um erro, seja ele qual for, reveste-se de um carácter de dignidade que nem todos temos… o nosso vilão não o tinha e hoje, apesar de ter tido sucesso na vida, continua a sofrer em silêncio e isolado pelo facto de não ser capaz de pedir desculpa quando se enganava.